Corrupção

Em delação, Cerveró cita envolvimento de Eduardo Cunha e Renan Calheiros em propinas

Nestor Cerveró, ex-diretor da área internacional da Petrobras, citou um possível envolvimento dos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado no recebimento de propinas pagas a funcionários da estatal. A oitiva, nesta segunda-feira (18), foi a primeira de Cerveró na condição de delator na Operação Lava Jato.

Renan Calheiros (PMDB-AL) e Eduardo Cunha (PMDB-RJ), teriam participado de operações que renderam cerca de US$ 35 milhões em propinas, somados os valores.

O delator falou em um processo que trata sobre um empréstimo de R$ 12 milhões, feito pelo Banco Schahin, ao empresário José Carlos Bumlai, amigo pessoal do ex-presidente Lula. O valor nunca foi pago. O empresário reconheceu que a quantia foi destinada ao Partido dos Trabalhadores (PT). Segundo as investigações da Lava Jato, o Grupo Schahin teria sido beneficiado em um contrato de US$ 1,6 bilhão, para operar o navio-sonda Vitória 10.000 para a Petrobras.

De acordo com Cerveró, as propinas em que Cunha e Renan estariam envolvidos foram pagas não pelo Grupo Schahin, mas pela Samsung. A empresa sul-coreana construiu, além do Vitória 10.000, outro navio-sonda para a estatal, nomeado Petrobras 10.000, entregue antes da embarcação que foi operada pela Schahin.

Os valores pagos pela Samsung aos políticos e funcionários da Petrobras, ainda de acordo com Cerveró, giraram na ordem de US$ 15 milhões para o Petrobras 10.000 e de US$ 20 milhões no Vitória 10.000.

O ex-diretor explicou que a construção das duas sondas partiu de uma necessidade da Petrobras. “Nós acertamos as bases, e aí vou me permitir, citando a minha colaboração premiada, na primeira sonda, Petrobras 10.000, houve um acerto de propina de US$ 15 milhões e na segunda sonda, a Samsung aumentou essa propina para US$ 20 milhões, propina essa que não foi paga”, disse.

Cerveró disse que foi o deputado Eduardo Cunha quem conseguiu, com a ajuda do lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, a liberação da quantia devida pela Samsung aos membros do esquema. “Só depois de vários anos é que o Fernando Soares conseguiu, através de um apoio do deputado Eduardo Cunha, receber parte da propina devida dessa segunda sonda”, afirmou ao juiz Sérgio Moro, sem dar detalhes de como as negociações teriam acontecido.

Respondendo à defesa de Fernando Schahin, sócio do Grupo Schahin, que também é réu no processo, Cerveró voltou a citar as propinas pagas pela Samsung. O advogado questionou o ex-diretor da Petrobras sobre a atuação do lobista Jorge Luz, dentro da Petrobras. Nesse momento, ele acabou citando um caso envolvendo suposta propina recebida por Renan Calheiros. “O Jorge Luz era um operador dos muitos que agiam na Petrobras. Eu conheci o Jorge Luz na propina que eu recebi, que faz parte da colaboração, que eu recebi na Argenitna. Ele foi o operador que pagou os US$ 6 milhões da propina da sonda Petrobras 10.000 foi o Jorge Luz, encarregado de pagar ao senador Renan Calheiros”, afirmou Cerveró. Logo em seguida, ele é interrompido pelo juiz Sérgio Moro, alegando que o caso citado pelo ex-diretor da Petrobras não faz parte da ação penal que estavam discutindo.

As informações prestadas por Cerveró já haviam sido citadas pelo lobista Júlio Camargo, nos depoimentos de delação premiada. Inclusive, a participação de Eduardo Cunha foi objeto de uma das ações penais movidas pela Procuradoria Geral da República contra o deputado. De acordo com Camargo, o parlamentar recebeu US$ 5 milhões pela ajuda. O processo corre sob segredo de justiça no Supremo Tribunal Federal (STF).

A assessoria de Eduardo Cunha disse que todas as informações sobre o caso já foram prestadas no processo. Ele nega o envolvimento nas intermediações de propina citadas pelos delatores da Lava Jato.

Renan Calheiros também informou que nega as imputações e esclarece que já prestou todas as informações necessárias, mas está à disposição para quaisquer novos esclarecimentos.

Com informações do G1.

Comentários


To Top