Corrupção

Dilma pode ser presa em nova delação relacionada ao setor elétrico, de acordo com site

De acordo com informações do site “O Antagonista”, a presidente Dilma Rousseff é o alvo preferencial da delação premiada de uma nova colaboradora da Lava Jato. Os depoimentos tomados até agora, mais os documentos anexados, implicam diretamente a petista no eletrolão.

O chamado “eletrolão”, é insinuado desde o começo da operação da PF em 2014 e dado como inevitável após a delação premiada do executivo Dalton Avancini, ex-presidente da Camargo Corrêa. Documentos apreendidos pela Polícia Federal na Operação Lava Jato indicam que o esquema de desvio de dinheiro chegou também ao setor elétrico. De acordo com levantamento do site Contas Abertas, as empresas envolvidas no esquema de corrupção são responsáveis por pelo menos dez obras do setor de energia do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). Os dez empreendimentos estão localizados nas regiões Norte e Nordeste, em estados como Piauí, Maranhão, Bahia, Pernambuco, Rondônia, Pará e Tocantins. Oito obras são referentes a usinas hidrelétricas e duas a aproveitamentos hidrelétricos.

Se for confirmada a delação, vai ampliar ainda mais o potencial de a Lava Jato cumprir sua vocação de sanear diversos aspectos dos negócios entre público e privado no Brasil. Os responsáveis pela Lava Jato sempre falaram na “metástase” da corrupção em diversos setores, mas agora vão chegar perto dos tumores em si.

O temor é evidente no meio político. O setor elétrico tem personagens conhecidos, todos muito próximos à figuras graúdas do PT e PMDB. Maior ainda por ser a área de Dilma Rousseff, por excelência. A petista conduziu o Ministério das Minas e Energia com mão de ferro até assumir a Casa Civil e ser catapultada à Presidência por articulação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Especula-se que com o teor da delação, além de sofrer impeachment, Dilma pode ser presa.

Comentários


To Top