Política

Racha no PMDB: Apoio a João Leite no segundo turno desagrada bancada na ALMG

A decisão anunciada no início da semana pelo candidato Rodrigo Pacheco (PMDB) e pelo vice-governador mineiro Antônio Andrade (PMDB) de apoiarem João Leite (PSDB) no segundo turno da eleição para a prefeitura de Belo Horizonte provocou conflitos internos na legenda. João Leite é um dos principais críticos do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), do qual o PMDB é aliado. Nessa quarta-feira (5), deputados estaduais do PMDB, liderados pelo presidente do Legislativo mineiro, Adalclever Lopes, publicaram uma nota desautorizando o apoio ao tucano. Na outra ponta, a aproximação do PMDB com o PSDB de João Leite recebeu o aval do vice-governador do Estado, Antônio Andrade, que também é presidente do diretório estadual do PMDB.

João Leite obteve, no primeiro turno, 33% dos votos. Ele disputará o segundo turno com Alexandre Kalil (PHS), que conquistou 27% da preferência do eleitorado. O apoio de Rodrigo Pacheco tem um peso importante, já que ele foi o terceiro candidato mais lembrado pelos eleitores que marcaram presença nas urnas. Foram 10% dos votos válidos.

Pacheco anunciou, na última terça-feira (4), o apoio a João Leite acompanhado do vice-governador mineiro Antônio Andrade. A decisão se deu após uma reunião onde o candidato tucano se comprometeu com algumas propostas apresentadas pelo PMDB ao longo do processo eleitoral. Em seu anúncio, o candidato derrotado do PMDB considerou a escolha natural. “Vamos convergir as ideias em torno de objetivos comuns”. Na expectativa de chegar ao segundo turno, a campanha de Pacheco já havia adotado uma linha crítica à candidatura de Kalil.

Antônio Andrade, por sua vez, minimizou o impacto da decisão na relação entre seu partido e o governo mineiro. Ele destacou que o candidato apoiado por Pimentel, o deputado federal Reginaldo Lopes (PT), também está fora da disputa no segundo turno. Dessa forma, o PMDB estaria livre para fazer suas opções. No entanto, parlamentares da legenda não ficaram satisfeitos com a decisão unilateral de Pacheco e do vice-governador. Treze deputados estaduais do PMDB se reuniram hoje (5) e aprovaram uma desautorização de apoio à chapa tucana.

Em nota, eles afirmaram que não foram consultados sobre a aliança. Entre os signatários do documento está o deputado estadual Vanderlei Miranda (PMDB), que foi candidato a vice na chapa de Rodrigo Pacheco. “Considerando que toda decisão partidária é tomada junto de suas instâncias de deliberação e que esse regramento é especialmente caro ao PMDB, partido que tem o caráter democrático como um de seus princípios fundacionais, os abaixo assinados entendem que a adesão anunciada é de foro pessoal e individual, razão pela qual não a reconhecem, antes a desautorizam como sendo do partido”, diz a nota.

No página oficial do PMDB estadual, a nota não foi publicada. O anúncio do apoio de Pacheco ao candidato tucano foi noticiado no site da legenda.

Outro candidato derrotado no primeiro turno que declarou apoio a João Leite foi Sargento Rodrigues (PDT). Ele obteve 2,88% dos votos. O anúncio foi feito na quarta-feira (5).

Com Agência Brasil

Comentários


To Top